Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Há Festa no quintal

por correspondente, em 23.05.14

Viver no campo tem destas coisas, como uma festa no quintal.

Improvisam-se umas mesas, uns bancos, uns toldos para proteger do sol e com uns comes e bebes, faz-se a festa. Nada de muito sofisticado, mas sempre saboroso, ou não fosse o porco criado no quintal, as ervilhas nascidas na horta, os ovos das galinhas criadas à solta no quintal…

Juntam-se os familiares ainda numerosos por estas bandas e os amigos a valer, muito calor humano e, dá-se a festa.

As crianças é vê-las a correr alegremente quintal fora, ora agarradas ao cão, ora agarradas ao gato, ora atrás dos pintainhos e fica-se contagiado com tamanha alegria.

A comida é caseira, feita com muito amor e carinho, entre panelas e tachos no velho fogão cansado de tanto cozinhar, mas sempre pronto para mais um petisco.

E entre petiscos, conversas alegres, risos de crianças, no meio das galinhas e dos patos, das ovelhas e do porco, do cão e do gato, assim se faz a festa no campo.

 

Por: Correspondente no Sobreiro - Mafra

Autoria e outros dados (tags, etc)

Hortas Particulares

por correspondente, em 13.03.14

Aproveitando o mote do último post do meu querido Correspondente no Casal de S.Brás, gostaria de falar de outro tipo de hortas, tão comuns aqui na zona saloia: as hortas nos quintais das casas daqui.

Pois é, nesta zona saloia, casa rústica que se preze, tem afecta a sua horta particular.

A frente destas casas, pode até ter um belo de um relvado ou de um jardim digno de um palácio (apesar de ultimamente já ter visto alguns destes jardins darem origens a hortas), mas nas traseiras, tem, com toda a certeza, uma bela de uma hortinha, com batatas, cebolas, alhos, pimentos, tomates, alfaces…muitas vezes suficientes para abastecer o próprio e a restante família.

Tenho lido que cuidar de um jardim ou mesmo de uma horta, pode ser uma óptima terapia para aliviar o stress.

No que me diz respeito, tenho constatado que apesar de não ter ainda adquirido o jeito para semear, plantar, cuidar, dá-me um enorme prazer ver crescer o que se pôs na terra e colher os seus frutos. E, colher os seus frutos também tem a sua técnica, para não estragarmos logo a planta toda quando queremos colher só uns morangos para uma salada a meio da tarde ou algo do género. E o sabor que estas dádivas da nossa horta têm? E o cheirinho? Nada que se compare com o que se compra por aí.

Na realidade, também dá algum trabalho e nem sempre corre bem, mas compensa muito.

Mas como não quero que os caros leitores fiquem com inveja, nem aí pela cidade, nem por aqui, onde também já há muitos apartamentos, chamo a atenção para um fenómeno cada vez mais divulgado na Internet: hortas verticais.

Este tipo de hortas só requerem uma varanda e suportes que muitas vezes podem ser feitos através da reciclagem do nosso “lixo” doméstico e, pelo que já me apercebi dão óptimos resultados.

É só uma questão dos caros leitores que não têm quintal, explorarem o assunto na Internet e verão que até Workshops sobre o tema, encontram.

Boas Sementeiras!

 

Por: Correspondente no Sobreiro - Mafra

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vida de Gato do Campo

por correspondente, em 20.02.14

Sendo eu Correspondente aqui da zona saloia, sinto-me na obrigação de falar da vida dos bichanos aqui pelo campo, que é completamente diferente da vida daquele gato citadino que o excelentíssimo Correspondente do Casal de S.Brás, conhece.

Bem, o gosto pelas janelas é idêntico, mesmo que a janela só tenha vista para plantas, arbustos, árvores. Neste caso, umas quantas folhas a mexer, pode ser indício de possibilidade de caça.

Pois e é aí que começam as diferenças. Mesmo que sejam gatos muito mimados, com direito a dormir junto ao aquecedor, no colo ou mesmo na cama, não perdem a oportunidade de caçar.

Num minuto estão a fazer ron-ron no nosso colo e no minuto a seguir aparecem-nos com uma “bela peça de caça”, como se de um belo presente se tratasse. E a caça pode ser variada: ratinhos, pardalitos, lagartixas, coelhinhos ou mesmo toupeiras…

E é claro que para cometerem tais façanhas, muitas vezes o seu belo pelinho lustroso, aparece cheio de manchas estranhas, que logo de seguida, eles se apressam a limpar.

Depois há aqueles gatos que adoram apanhar uma bela molha, quando o tempo está de chuva, para logo a seguir voltarem para casa e pedirem aos donos que os limpem com uma toalha fofa e cheirosa. Acabamos por não perceber se gostam mais da bela molha ou da limpeza com a toalha.

Mas quando o sol espreita é vê-los no quintal no melhor poiso, mesmo que esse poiso seja o preferido dos donos, a banharem-se nos raios cintilantes…

Vida de gato de campo é sem sombra de dúvida, mais animada, mas também mais perigosa, pois por vezes tanta aventura implica demasiado tempo fora de casa.

 

Por: Correspondente no Sobreiro - Mafra

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vida de Gato…no Telhado

por correspondente, em 27.01.14

Pois é, em relação ao gatinho da Brandoa que o Correspondente do Casal de São Brás mencionou no seu último post, posso acrescentar algo mais, pois sou detentora de alguns conhecimentos “especiais”.

Esse gatinho foi muito mais esperto do que perceber que a parte feminina desse casal, ansiava por ter por perto um gatinho lindo e meigo. Ao contrário do que o caro Correspondente menciona, o casal não saiu para trabalhar, mas sim para pescar. Ora o tal gatinho viu a cana e pensou: ”Aqui vai haver peixe!” E à noite, lá estava ele à espera do casal e…do peixe. Peixe não houve, mas a jovem desse casal trouxe-lhe um pires com leite e enquanto lho oferecia por um lado do vaso onde ele se escondera, ele esgueirou-se pelo outro lado e meteu-se dentro de casa. Meteu-se dentro de casa, para nunca mais de lá sair…a não ser para o telhado. Sim, porque apesar de também ser um gato citadino, tinha direito a explorar todo um telhado, sem concorrência. Era lá que este gatinho se confrontava com pombos maiores do que ele e fugia e, também, era lá que ele apanhava os seus “presentes” para oferecer aos seus queridos donos, como ratinhos, lagartixas e até uma osga enorme com a qual teve uma luta feroz já dentro de casa, o que obrigou a sua dona a fechar-se no quarto “impressionada”, para aí, durante um hora.

Ah, que vida difícil a deste gato!

 

Por: Correspondente no Sobreiro - Mafra

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Amizades Improváveis

por correspondente, em 14.12.13

Desta vez, quero escrever sobre algo, que “penso eu de que”, deve acontecer tanto aqui no campo, como na cidade. Trata-se das “amizades” do Facebook.

Demorei anos a aderir à moda do Facebook e, só o fiz para estar mais próxima de uma pessoa de família que me é muito querida e que está a uns Kms de distância. Mas passado tão pouco tempo, já estou desapontada com isto.

Em primeiro lugar, porque as pessoas com este modo de comunicar, evitam cada vez mais comunicar-se pessoalmente, mas sobretudo, porque aquelas pessoas que mal me falam na rua ou até viram a cara, querem ser minhas amigas no Facebook.

Neste caso, acho muito pouco provável, algum dia, querer “amigos” destes.

Acho que é caso para dizer: “Com amigos assim, inimigos para quê?”

 

Por: Correspondente no Sobreiro - Mafra   

Autoria e outros dados (tags, etc)

À Moda de Mafra

por correspondente, em 21.11.13

Não sou uma “escrava” da moda, mas gosto de estar atenta. Quando começa uma nova estação, há sempre uma peça ou outra, para mim ou para a casa, que me seduz e que acaba por alegrar mais a época em questão.

Ao tomar atenção à moda, sobretudo de roupa feminina, verifiquei que a moda daqui é diferente da moda em Lisboa.

De uma maneira geral, a moda em Lisboa, é mais escura, mais tristonha, mais igual e a daqui, mais garrida, mais alegre, mais romântica até, e mais feminina. E a moda daqui é também mais Portuguesa. Sim, Portuguesa, porque os comerciantes daqui, sejam os das lojas no centro de Mafra ou na lojinha mais escondida dos arredores, fazem questão de comprar o que é fabricado em Portugal. Por esse motivo, acabamos sempre por ter à nossa disposição um produto atractivo, de boa qualidade e a preços idênticos aos de Lisboa.

Este é mais um motivo, pelo qual vale a pena vir a Mafra. Mesmo que não comprem, regalam os olhos com as montras destas lojas, que estão sempre decoradas com muito bom gosto e, se calhar, até levam umas ideias para Lisboa.

E se quiserem mesmo voltar para Lisboa com um aspecto diferente (para melhor), completem o vosso look, num bom Centro de Estética que, também há por aqui, a preços muito convidativos e qualidade Super!

 

Por: Correspondente no Sobreiro - Mafra

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mensagens


Objectivo: ”coscuvilhar” assuntos aqui da terrinha e arredores.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


calendário

Dezembro 2017

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31


Comentários recentes

  • correspondente

    Os amigos de quatro patas da espécie Canídeos, nes...

  • Filomena Gil

    É certo que não há nada como os animais, sobretudo...

  • correspondente

    Nada contra, claro, desde que não se lembrem de ol...

  • Filomena Gil

    E tem alguma coisa contra os vizinhos de 4 patas? ...

  • correspondente

    Este meu “comentário” é mais uma adenda ao post em...

  • correspondente

    Apenas duas notas acerca desse “zé do telhado”: Es...







Visitas


contador de visitas para blog