Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correspondente no Casal de S. Brás

Objectivo: ”coscuvilhar” assuntos aqui da terrinha e arredores.

Correspondente no Casal de S. Brás

Objectivo: ”coscuvilhar” assuntos aqui da terrinha e arredores.

Nem 8 nem 80

correspondente, 22.02.21

Eu gosto de me manter minimamente informado. Não gosto aliás, de notícias que ocultam mais do que mostram, ou até da ausência de notícias.

 

Mas como não sou especialista em pandemias, gostava mais de ouvir menos a referência a variantes.

 

Também não me considero com tendências para ver em cada esquina uma “conspiração”.

 

Mas chateia, quando se começa a reunir dados, ou começam mais propriamente, os governantes, a reunir esses dados, para decretarem mais um estado de emergência que, apareça por cá uma nova variante.

 

Não duvido que esteja por cá, a Brasileira, como também a Britânica, como já esteve a Californiana, a Espanhola, que possa estar também a de áfrica do Sul, que possa aparecer a Japonesa, que daqui a pouco comece a existir a variante aqui do casal de São Brás, ou até a saloia.

 

Mas, por favor, deixem de nos “massacrar”, na comunicação social, com elas.

 

Mal por mal, “massacrem-nos” com as outras variantes, as das vacinas, que por este andar, também ainda vão ter a versão do casal de são Brás, ou a Saloia, tal é o leque das que vão aparecendo e, ainda bem, como é óbvio!

Os números não mentem

correspondente, 05.02.21

Agora é que é , este texto, será o último acerca do tema! Será mesmo?

 

A propósito do COVID-19 em Portugal, dos números noticiados, os números, não se duvida, não mentem, mas é um facto, baralham muito.

 

“Penedono é o concelho com maior incidência acumulada da infecção, 7 mil e tal por cem mil habitantes”.

 

As contas, a estatística, as médias, a proporcionalidade, a lógica, não sei aqui qual é o termo certo que se aplica, eu não as ponho em causa, devem estar todas certas, mas dão uma ideia errada e, isso sim, uma ideia distorcida da realidade.

 

Sem intenção, acredito, mas ou são bem explicados, ou, números e termos técnicos, nem devem ser noticiados.

 

Penedono, afinal, em concreto, tem 60 e tal casos activos, num total, a nível nacional, de 160 mil e tal casos activos.

 

Penedono, o concelho, tem cerca de 3 mil habitantes. Amadora, por exemplo, tem quase 200 mil habitantes.

 

Não sei quais são os números, na Amadora, por cem mil habitantes, da taxa de incidência, contudo, por estas contas, devem ser abaixo daquelas apresentadas para Penedono, mas, de concreto, o número de habitantes infetados, activos, na Amadora, não devem andar pelo diminuto, com o devido respeito, número de 60.

 

A proporcionalidade consegue colocar 7 mil e tal habitantes onde só existem cerca de 3 mil.

 

E, atenção, os números não estão errados.

 

Enfim, este apontamento, serve para os números da actual pandemia, bem como, para tantos outros em geral.

 

Por último, acredito, em Penedono, estes 60 habitantes infetados actualmente, motivam preocupação, como não poderá deixar de ser, mas apresentar Penedono como o caso mais preocupante em Portugal, volto a frisar, distorce a realidade.