Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A ribeira da Falagueira

por correspondente, em 13.03.12

Não são muitos os metros, talvez 1 quilómetro ou 2 (talvez sejam mais), mas ainda bem que a “recuperaram” e que não teve o destino de muitas outras(pelo menos este pedaço), o de ficar “entubada” e o de ficar a correr por debaixo dos prédios. Deve nascer lá para os lados da Serra da Mira (*) e, hoje “desaparece” na Falagueira, um pouco depois do Casal de São Brás. Este “pedaço” da Ribeira da Falagueira, assim como, a área circundante, foram “recuperados” e devolvidos aos habitantes desta zona, em forma de área de lazer. Uma boa iniciativa, pois, podia muito bem ter ido ali parar mais meia dúzia de prédios, aonde as únicas zonas verdes, seriam uns míseros canteiros de relva!  

 

(*) Li algures isso, mas agora ao procurar mais informação na INTERNET, aparece que a ribeira da Falagueira, não é mais que um “troço” da ribeira de Alcântara e que esta nasce na Brandoa. Se alguém mais qualificado e elucidado puder acrescentar ou desmentir isto tudo, agradece-se a colaboração.

 

Nota: Interessante, foi ficar a saber, a pretexto desta pesquisa, que o aqueduto das águas livres é (ou era) ao longo do seu “troço” principal, “alimentado” por “troços” subsidiários, como era o caso do de São Brás “no trajecto para Lisboa reconhece-se ainda o caudal proveniente da Fonte Santa e dos Aquedutos da Rascoeira, de São Brás ou das Galegas, da Buraca e das Francesas. Estas estruturas são muito semelhantes entre si, pontuadas por respiradouros equidistantes e mais ou menos elaborados, que assumem uma função de ventilação das caleiras, e pequenos declives ou cascatas de água, que correm no interior …”. Estruturas deste aqueduto que também fazem parte integrante desta zona recuperada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Mensagens



Objectivo: ”coscuvilhar” assuntos aqui da terrinha e arredores.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2012

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031


Comentários recentes

  • correspondente

    Os amigos de quatro patas da espécie Canídeos, nes...

  • Filomena Gil

    É certo que não há nada como os animais, sobretudo...

  • correspondente

    Nada contra, claro, desde que não se lembrem de ol...

  • Filomena Gil

    E tem alguma coisa contra os vizinhos de 4 patas? ...

  • correspondente

    Este meu “comentário” é mais uma adenda ao post em...

  • correspondente

    Apenas duas notas acerca desse “zé do telhado”: Es...