Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Bloqueado

por correspondente, em 30.12.17

Creio já ter escrito algo sobre isto mas como se repete aqui fica o sucedido.

 

A “crise” realmente aconteceu. Um dos meus “barómetros” para lhe tomar o pulso é a utilização do automóvel. Não há dúvida, esta, aumentou. Outro modo de “medir” o fim da crise são as saídas nocturnas. Não saio muito (ou nada) à noite mas pelo movimento, mais uma vez, do tráfego automóvel, durante a noite, mais às sextas-feiras e Sábados, dá para perceber isso, de que a crise ficou lá para trás.

 

E este preâmbulo todo para contar um episódio que até parece nada ter a ver uma coisa com a outra.

 

Há algum tempo que isto não acontecia. Aconteceu há dias. Esteve alguém, bem por baixo da janela do meu quarto, a tocar a buzina do seu carro, talvez uma meia hora, de manhã, entre as seis e picos e as sete e tal. Primeiro uma buzinadela de quando em vez e, à medida que o tempo ia passando, sem qualquer resultado, mais furiosamente. Estava bloqueado. Não conseguia sair. Alguém tinha chegado tarde, deixou o seu carrinho a bloquear a saída de outros e, sem preocupações, foi dormir o sono dos justos.

 

Quando eu estudava à noite, quando vinha da escola, mortinho por me enfiar na cama e, depois de dar várias voltas às redondezas (alargadas) á procura de estacionamento em vão, de facto, acabava por estacionar a atrapalhar a saída de outro. Outro escolhido a dedo. Estacionava perto de casa, normalmente, a “tapar” um automóvel cujo dono eu conhecia (bem como as suas rotinas matinais que seriam, em princípio, depois das minhas) mas, mesmo assim, dormia de ouvido à escuta, pronto a ir tirar o carro, caso fosse preciso, num ápice e, também pronto para apresentar as minhas desculpas pelos escassos minutos que esse meu vizinho tinha eventualmente esperado para eu o desbloquear.

 

Um vizinho que trabalhava de noite, quando chegava de manhãzinha, sem lugar para arrumar o carro e, imagino, morto de sono, arrumava atrás do meu, nunca combinou nada comigo, mas sabia que eu conhecia o carro e que a esposa, entretanto já a pé, vinha tirar o carro. Ela ou estava de olho quando me via sair, ou então eu mesmo tocava na campainha para avisar. Não esperava mais que uns minutos. O tempo necessário para ela descer as escadas. Compreendia a situação e não lhes levava a mal.

 

Hoje, observando estes comportamentos de “reizinhos”, não tenho dúvida, eu e esse meu vizinho, cheios de cuidados, fomos uns parvos.

 

Estes reizinhos nem uma buzinadela merecem. Perde-se o mesmo tempo, ou mais, mas que tal ligar logo para a polícia? Dar conta da situação. Outro carro está a bloquear o nosso. A impedir de irmos “à nossa vidinha”!

 

Voltando ao início do texto, isto acontece, provavelmente, apenas porque a dita crise acabou (ou está adormecida), apenas porque já temos uns troquinhos para dar de beber ao bólide (e para matar também a nossa sede e para sair à noite mas, em contrapartida, temos muita falta de respeito pelos outros!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mensagens



Objectivo: ”coscuvilhar” assuntos aqui da terrinha e arredores.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2017

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31


Comentários recentes

  • correspondente

    Os amigos de quatro patas da espécie Canídeos, nes...

  • Filomena Gil

    É certo que não há nada como os animais, sobretudo...

  • correspondente

    Nada contra, claro, desde que não se lembrem de ol...

  • Filomena Gil

    E tem alguma coisa contra os vizinhos de 4 patas? ...

  • correspondente

    Este meu “comentário” é mais uma adenda ao post em...

  • correspondente

    Apenas duas notas acerca desse “zé do telhado”: Es...