Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O presente envenenado

por correspondente, em 27.12.19

Há pouco, dizia, alguém da administração, de uma empresa de transportes públicos, creio, ferroviário, que dado o aumento da procura, o aumento de passageiros, devido à descida do valor dos passes sociais, estavam a fazer modificações, ajustes, nas composições. A sua explicação “técnica” não foi muito clara. Ao ouvir o resto da reportagem fiquei esclarecido. Em cada comboio vão suprimir 80 lugares sentados. Já me tinham dito que no METRO de Lisboa também tinham “desaparecido” bancos nas carruagens. Não consigo confirmar esta última informação mas, levando em conta a notícia aqui referida, é provável que tal aconteça nesse meio de transporte também.

 

Alguém mais ingénuo poderia pensar que à descida do valor dos passes sociais corresponderia um aumento de procura, um aumento de passageiros, o que pelos vistos aconteceu e, perante isto, as empresas de transportes públicos, aumentariam a oferta, mantendo ou mesmo aumentando, entre outros, o padrão de conforto.

 

Pelo exposto aqui inicialmente, o atrás referido, não é o que acontece.

 

Desconheço, neste novo “desenho” relativo aos passes sociais, se as empresas de transportes públicos, passaram a receber mais ou a receber menos, do Estado por cada passageiro que transportam ao abrigo deste acordo. Isso será irrelevante. Relevante e revelador é a ideia que fica, de quem decide estas coisas, a de que se pagam menos, os passageiros, bem podem viajar de pé.

 

É, sem dúvida, Um grande incentivo a que se passe a usar o transporte público, o de viajar de pé, com toda a probabilidade!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mensagens


1 comentário

De LM a 31.12.2019 às 14:17

Passei a usar transportes públicos desde que mudei de trabalho... Claro que tenho de agarrar no carro para ir até ao comboio na linha de Sintra, porque até casa tenho de mudar 5 vezes de autocarro (exagero) e ainda ficar 40 minutos à espera do próximo se perder o dito cujo por um minuto (aqui não exagero). O problema foi enfrentar uma realidade que para mim era totalmente desconhecida: hora de ponta. Já tanta gente me tinha relatado o terror e ainda não tinham entrado os passes a 40€. Este Verão passado, cheguei a sentar-me no chão do comboio duas vezes porque ia desmaiar com o calor. Faço uma média de 2 reclamações por mês na CP. Ora são os atrasos, ora as supressões, ora a falta de ar circulante dentro das composições... Fico triste, porque não quero a alternativa (levar carro para o centro de Lisboa). Vi grávidas a sair do comboio porque se estavam a sentir mal, vi pessoas a gritar porque não cabia mais uma alminha na carruagem mas mesmo assim as pessoas desesperam por chegar a horas ao trabalho...
Tive de pedir alteração do meu horário para poder chegar mais cedo e evitar estas horas de ponta, sorte a minha, muitos não o podem fazer. Mas mesmo assim, sempre que um comboio é suprimido... lá venho eu em lata para me relembrar de como as coisas são...
Aproveitei aqui o seu post para este desabafo. Viajar de pé? Já o faço todos os dias e não vou em hora de ponta. Só espero que estas pequenas mudanças façam efeito e que lhes juntem: mais comboios, maior frequência horária, composições a funcionar em pleno (ar condicionado, etc)... já chega de quererem tirar os carros de Lisboa e não criarem alternativas viáveis!!!

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Objectivo: ”coscuvilhar” assuntos aqui da terrinha e arredores.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2019

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031


Comentários recentes

  • LM

    bom ano!! :)

  • correspondente

    Queria aproveitar a todos aqueles que se deram ao ...

  • correspondente

    Bom, de repente pela maioria dos comentários pense...

  • Manuel da Rocha

    Podia ter dito o nome da empresa a que se referiu....

  • LM

    Passei a usar transportes públicos desde que mudei...

  • Teo

    Existiram carruagens do M onde foram retirados ban...