Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Saloio&Herdeiros, limitada

por correspondente, em 16.01.15

Boas notícias. Aqui, algures, no casal de São Brás, está para ficar “de pedra e cal” o famosíssimo cacto Saloio. Na sua última crónica, este, em jeito de pedido de socorro, escrevia no blogue, que é como quem diz, gritava aos quatro ventos, para que uma alma caridosa o socorresse do seu dono e do seu regador, uma alminha que tivesse pena dele e o salvasse desse permanente diluvio, caso contrário, não iria durar muito mais tempo.
Entretanto os dias foram passando, devagar, devagarinho, foi-se entrando no Inverno e, apesar, de lá fora, o tempo ir fazendo as suas caretas, nalguns dias chovia, noutros (a maior parte), ia estando muito frio, mesmo assim, apesar da invernia, cá dentro, a rotina era a mesma, água para cima do cacto.
O doido do dono já tinha reparado que aquela planta não estava com muito bom aspecto. Tinha umas folhas a cair. Será falta de água? Lá ia mais água. Mas de repente, esta, não aguentando mais, desistiu e, em meia dúzia de dias, perdeu quase a totalidade das suas folhas e o seu tronco ficou muito frágil. Era o adeus. Aliás, este, ia mais descansado, já tinha visto que ia deixar descendência. Pois, em tempos idos, o amalucado do seu dono, num gesto desajeitado, tinha-lhe partido umas folhas, mas, num rasgo de lucidez, em boa hora, pegou nessa “haste” e, zás, a haste foi parar noutro vaso e, no meio de tanta “insanidade jardineira”, não é que o “rebento” pegou mesmo! Ora, se a coisa “funcionou” uma vez, talvez volte a resultar. Dito isto, o desnorteado do dono do cacto Saloio, perante aquela desilusão, perante um tronco a desaparecer e bocados do cacto caídos na terra, no meio do vaso, pegou em dois bocados, em duas “hastes” e, zumba, ali mesmo, no mesmo vaso, enterrou-as na terra ainda encharcadíssima do último “dilúvio”.
Agora, uns meses passados e, menos água em cima, não é que os dois minúsculos cactos, os Saloiozinhos, numa demonstração de longevidade, parecem querer dizer que estão ali, que estão para durar, que são a continuidade, apenas de forma diferente, do cacto Saloio!
A vida prolonga-se na descendência. Que grande filósofo. Longa vida ao cacto Saloio!
Apenas um pormenor, o cacto Saloio, daqui de São Brás, tinha prometido umas crónicas, uns relatos do que ia vendo da janela, não era? Pois é, mas neste caso, nem em bicos dos pés, como se costuma dizer: “Cresce e aparece”. Daqui a uns anos, quando os cactos conseguirem espreitar pela janela, teremos essas crónicas. Por enquanto só conseguem ver o céu, os pássaros a voar, os aviões a passar e o topo das árvores, por esta janela, a da cozinha do seu dono, mas de pescoço bem esticado e com as cabeças viradas para cima, a observar o que se passa, lá no alto, por cima do parapeito da dita janela. Pode ser que lhes dê para se virarem para dentro, que lhes dê para escreverem crónicas, não sobre o que se passa no exterior, mas sobre o que vão vendo cá dentro. E aí este seu dono não ficará muito bem no retrato. Aquele ar não engana ninguém!

Autoria e outros dados (tags, etc)

S.O.S.

por correspondente, em 17.11.14

Ora muito bem, vou aproveitar estas tréguas, pois parece que o “inimigo” não anda cá por casa, para vir aqui ao blogue dele e, para além de denunciar os seus maus tratos praticados por ele à minha indefesa pessoa (agarrado à terra como estou), já agora dar aos eventuais leitores deste pasquim umas “férias” das suas enfadonhas “croniquetas” de História.
SOCORRO! Por favor alguém diga a este senhor, que se intitula meu dono, que um cacto não é nenhuma alga!!
Eu sei que estou em falta convosco, que fiquei de relatar o que me é dado a ver da janela da cozinha, onde este senhor me põe todos os dias, mas não tenho conseguido, ando muito “fraquinho”, pois, este senhor “meio inconsciente”, passa a vida a regar-me! Num Verão ainda vá que não vá, ainda aguentei o dilúvio, contudo, agora, às portas do Inverno, já é demais tanta água em cima da minha cabeça! O parvo, finalmente, deu por isso e abrandou a “dose”, só espero que não seja tarde demais! Bom, ali ao lado, noutro vaso, está um “rebento” meu, que parece estar em melhor estado do que eu, se eu escapar desta, ainda vamos os dois escrever umas “crónicas” conjuntas aqui, do que se passa lá fora, debaixo dos nossos olhos, do que se vê através da janela, daqui do casal de São Brás, se não, pelo menos fica cá a minha 2ª geração para vos fazer esses relatos! Isto Se o dono desta casa for um pouco mais moderado nas regas aos seus cactos!!
Olha, olha, lá vem ele! Que ar! Ali falta algum parafuso! Toca a sair daqui sem dar nas vistas e, a ver se ele não dá por mim, a ver se escapo de mais uns borrifos nas minhas ainda ensopadas folhitas!
Hum! Ali em baixo ainda tenho que escolher a tags ou lá o que é isso. Sei lá qual foi a que ele escolheu para o meu primeiro texto, acho que vai ficar mesmo o meu nome!

Assinado
O cacto Saloio

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mensagens


Objectivo: ”coscuvilhar” assuntos aqui da terrinha e arredores.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2017

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31


Comentários recentes

  • correspondente

    Os amigos de quatro patas da espécie Canídeos, nes...

  • Filomena Gil

    É certo que não há nada como os animais, sobretudo...

  • correspondente

    Nada contra, claro, desde que não se lembrem de ol...

  • Filomena Gil

    E tem alguma coisa contra os vizinhos de 4 patas? ...

  • correspondente

    Este meu “comentário” é mais uma adenda ao post em...

  • correspondente

    Apenas duas notas acerca desse “zé do telhado”: Es...